quarta-feira, 4 de março de 2015

Massagem Tântrica - o que esperar?

Cada dia que passa aumenta o número de pessoas interessadas em conhecer os benefícios da massagem tântrica. Mas, da mesma forma que esse interesse aumenta, cresce também o número de informações deturpadas a respeito. Muita confusão é feita sobre esse assunto, o que pode gerar constrangimento para clientes e terapeutas. Afinal, o que se deve esperar de uma sessão de massagem tântrica?

Primeiramente: o que não esperar

Existe uma coisa você não deve esperar mesmo: sexo. Não pense que você irá transar em uma sessão de massagem pois você sairá frustrado. Da mesma forma, desconfie de todo terapeuta tântrico que conduzir a massagem para esse lado. Os terapeutas formados e credenciados pelo Centro Metamorfose são instruídos a passar essa orientação logo no primeiro contato de um interessado, a fim de alinhar as expectativas. Esse viés sexual e primitivo pode, inclusive, prejudicar o seu desenvolvimento ao longo do tratamento pelo Método Deva Nishok.
As massagens tântricas são diferentes pois, embora lidem com a energia sexual e, algumas vezes, trabalharem com toque nas genitais, não têm a mesma finalidade do sexo primitivo. A ideia da massagem é transformar a relação que a pessoa tem com essa energia, oferecendo novas perspectivas e sensações. Não faz sentido haver sexo em uma sessão de massagem pois isso traria a pessoa de volta aos velhos conceitos, sem que ocorresse uma transcendência, uma quebra de paradigmas.

Os efeitos no corpo

A massagem tântrica vai mudar a maneira de você perceber, de você se relacionar com seu próprio corpo. Ela desperta a nossa consciência para a bioeletricidade, encadeando todos os nossos agrupamentos musculares de maneira a espalhar a sensação orgástica por todo o corpo, descentralizando-a das genitais. Isso acaba transformando o prazer que sentimos, levando-o a um nível mais elevado, alterando inclusive o nosso estado de consciência. Não só isso, essas massagens estimulam a produção de hormônios ligados à satisfação e à felicidade, como a Serotonina e a Oxitocina, o que nos desperta uma sensação de plenitude, de sintonia com o nosso corpo.
Ao mesmo tempo, as massagens tântricas ajudam a tonificar os músculos do aparelho sexual, para que possam sustentar níveis mais elevados de energia, ou seja, elas tornam o orgasmo ainda mais intenso, tanto para homens quanto para mulheres. E esse trabalho de fortalecimento muscular é muito útil também no tratamento de diversas disfunções sexuais; um pênis tonificado é muito menos propenso a uma ejaculação precoce, por exemplo.

Encare o desconhecido

Mas a melhor coisa para encarar uma massagem tântrica é vivenciá-la sem expectativas. Procure um terapeuta que lhe passe uma boa vibração de maneira que você possa se entregar por completo à experiência. É muito comum que nossa mente tente bloquear o processo, por medo das sensações inéditas que afloram durante a massagem. É um medo natural do desconhecido, do novo. Se você conseguir deixar esses bloqueios mentais de lado, com confiança no profissional que irá te atender, com certeza irá experienciar o máximo dos benefícios que a Massagem Tântrica do Método Deva Nishok tem para oferecer.
por Deva Sangito

domingo, 1 de março de 2015

O Orgasmo Terapêutico


O orgasmo foi objeto de estudos por parte de Hipócrates e Galeno (400 A.C.) e também por Avicena e Maimonides na Idade Média. Consta na literatura que eles criaram métodos terapêuticos para a estimulação dos tecidos genitais para desencadearem o orgasmo. O tema não é novo e essas práticas tornaram-se comuns, sendo utilizadas até os anos 30, aproximadamente. Naquela época, os médicos prescreviam o orgasmo como um recurso terapêutico para tratar as mulheres com várias enfermidades, sendo a mais comum a histeria, (um conveniente e abrangente “diagnóstico” dado às mulheres que não “conseguiam” se adequar às convenções determinadas pela sociedade). O orgasmo, ou "massagem médica", era prescrita regularmente. Infelizmente, depois de Freud, a medicina aboliu o recurso terapêutico do orgasmo e passou a utilizar-se apenas da psicoterapia.
A maioria das pessoas conhece apenas o orgasmo genital (clitoriano ou peniano), mas é importante que todos saibam que o orgasmo pode adquirir maior intensidade e tempo de duração, e pode ser muito mais amplo do que o normalmente conhecido, que dura alguns poucos segundos. Estou falando aqui do orgasmo de corpo inteiro, denominado Orgasmo Expandido. Um orgasmo expandido é um orgasmo mais intenso e mais extenso do que se descreve habitualmente como um orgasmo comum. Este inclui um espectro de sensações que incluem orgasmos de corpo inteiro, tais quais os descritos por Wilhelm Reich, orgasmos que podem durar de poucos minutos a várias horas. O termo foi criado em 1995 por Patricia Taylor, que o empregou em sua pesquisa sobre experiências sexuais intensas em 44 casais de diversas procedências e num vídeo que produziu em 1998. 
As características que definem o orgasmo expandido são as sensações energéticas e as contrações em todo o corpo, especialmente no abdome, músculos internos, mãos e pés, e claro, nos genitais, como descreveu Reich em seu livro de 1942, A Função do Orgasmo. A Dra. Taylor descreve os relatórios de praticantes entrando em estados alterados de consciência, o que lhes trazia uma profunda liberação e rejuvenescimento emocional, profundas experiências espirituais, uma consciência que geralmente não se percebe durante os orgasmos comuns, e a percepção da energia que se expande muito além dos limites do próprio corpo. Também podemos encontrar relatos de experiências similares em estudos realizados pela Dra. Jenny Wade e por David Deida. A Dra. Taylor afirma que os homens têm as mesmas probabilidades que as mulheres de entrar nestes estados e ter estas mesmas experiências. Adicionalmente, tanto Brauer, como Bodansky, tratam sobre o orgasmo expandido masculino. As teorias sobre os processos biológicos requeridos para entrar nestes estados incluem a estimulação e elevação progressiva e equilibrada dos sistemas simpático e parassimpático. 
O orgasmo pode apresentar características muito importantes para a saúde das pessoas se for utilizado de forma livre e dissociada da abordagem sensual e sexual. No Centro Metamorfose, nós propomos o “Orgasmo sem Sexo”, um excepcional recurso terapêutico que é apresentado às mulheres como uma excelente opção para resolverem suas disfunções sexuais e suprir seu corpo com a incrível capacidade regenerativa dos hormônios produzidos naturalmente pelo seu corpo. Através de estímulos específicos e terapêuticos, são produzidos orgasmos múltiplos, liberados ao longo de uma hora e meia de sessão terapêutica, onde são trabalhadas as estruturas linfáticas da coxa e do abdome, responsáveis pelo aporte de lubrificantes naturais na região genital, as estruturas neuro-funcionais do clitóris, com alongamentos e estimulações extremamente prazerosas, incluindo a tonificação dos músculos clitorianos com o uso de um vibrador-bullet específico e muito potente, mobilizações precisas na glândula de Gräfenberg (ponto G) e dos músculos intra-vaginais, tonificando-os e estimulando um grande potencial de emoliência, e incríveis variações de orgasmos.
O orgasmo é um dos melhores e mais eficientes tratamentos reguladores das disfunções hormonais. É um recurso natural e gratuito, disponível para homens e mulheres em qualquer faixa etária, a partir da maturidade dos seus centros sexuais.
Conforme estudo publicado pela Universidade de Michigan, o orgasmo aumenta os níveis de estrogênio e libera ocitocina, reduzindo o cortisol, o principal hormônio do estresse elevado crônico, quadro muito comum entre as mulheres de todas as épocas, mas principalmente nos dias de hoje, em que a demanda de responsabilidades sobre a mulher tem crescido consideravelmente.
Além da redução dos níveis de cortisol no sangue, os níveis de ocitocina aumentam em 5 vezes após uma forte experiência orgástica. Níveis mais altos de ocitocina fazem a pessoa se sentir feliz, enquanto baixos níveis de ocitocina estão relacionados à depressão e a níveis mais baixos de hormônio tireoidiano. A ocitocina também estreita a vinculação afetiva entre mãe e bebê e entre parceiros.
Em outras palavras, o orgasmo ajuda a santa trindade - cortisol, estrogênio e tireóide – a permanecer em seu ponto de equilíbrio.
E ainda tem mais…
O orgasmo reduz a dor pela metade, sem alterar a sensibilidade.
O orgasmo aumenta a fertilidade, aumentando a pressão negativa dentro do útero - quando a ocitocina é liberada após o orgasmo, as contrações uterinas aumentam a sucção do sêmen no colo do útero. A ocitocina pode aumentar a densidade óssea, evitando doenças ósseas como a osteoporose.
Qualquer pessoa que deseje manter-se em perfeito equilíbrio funcional necessita de doses intensas de orgasmos. A falta do orgasmo ou orgasmos insatisfatórios causam desequilíbrios no corpo físico, na mente, nas emoções e na dimensão espiritual do ser.
No Centro Metamorfose, o orgasmo é terapêutico e pode curar muitas aflições que acometem o ser humano. Terapia orgástica soa muito melhor e menos arriscada do que muitas terapias que são aplicadas através de hormônios artificiais e antidepressivos, que causam assustadores efeitos colaterais, alguns de conseqüências irreversíveis.
A Terapia Orgástica do Metamorfose está disponível para homens e mulheres como uma excepcional opção para inúmeras disfunções sexuais.

Ejaculação Precoce Como a Terapêutica Tântrica pode ajudar?


Também denominada ejaculação prematura, é a mais comum das disfunções sexuais masculinas. A ejaculação precoce (ejaculatio praecox) é inconfundível, caracterizada pela incapacidade do homem em controlar o reflexo ejaculatório. Uma vez que esteja sexualmente excitado, ele atinge o orgasmo rapidamente. A ejaculação precoce pode acontecer com ou sem a penetração; alguns homens ejaculam apenas com um pequeno estímulo tátil ou mesmo visual.
Para alguns clínicos, o tempo que decorre entre a introdução na vagina e a ejaculação é o critério para se determinar o diagnóstico. Para a Visão Tântrica do Caminho do Amor, um homem é considerado ejaculador precoce sempre que atingir a ejaculação antes que sua/seu parceira(o) obtenha o orgasmo e o ápice do prazer.
A capacidade do homem para controlar a sua ejaculação é crucial para que haja um perfeito desempenho no ato sexual, capaz de proporcionar prazer a ambos os parceiros. O bom amante sexual deve ser capaz de dar continuidade aos jogos sexuais, mesmo que esteja envolvido por um alto grau de excitação, permitindo à parceira/parceiro chegar a um alto nível de excitação e de orgasmo.
No Centro Metamorfose, oferecemos uma metodologia que promove a reeducação sensorial com base na percepção da energia sexual. Muitos homens confundem o nosso trabalho achando que é uma mera masturbação. Na verdade, desestimulamos os homens a praticarem a masturbação, pois segundo a nossa observação, ela é um dos condicionamentos que mais refletem sobre o mecanismo da ejaculação precoce, pois “vicia” o toque nos genitais na rapidez dos estímulos, criando reflexos involuntários difíceis de controlar.
Nosso trabalho não é masturbatório e nem recomendamos que os homens sustentem uma atitude sexual na relação com as nossas terapeutas, que não são garotas de programa e nem se prestam a satisfazer as fantasias sexuais dos clientes. Os clientes que desejam alimentar seus aspectos patológicos e perversos, subestimando a inteligência das mulheres, devem procurar meretrizes e prostitutas. Nosso espaço não se presta a esse tipo de atendimento, mesmo que outros espaços usem o Tantra como meio de prostituição.
O Método desenvolvido por Deva Nishok necessita que o cliente tenha uma outra postura, receptiva e aberta, dissociada da representação dos papéis sexuais. Ele precisa situar-se como um cliente que está sendo terapeutizado e não como um “macho latino”, que não sabe se comportar na presença das mulheres. O homem precisa aprender a também ser passivo, precisa aprender a receber os estímulos sensoriais relativos ao toque, a fim de reorganizar suas informações sensoriais nos centros de decodificação sensorial, localizados no cérebro e ao longo da coluna espinhal. Somente assim se tornará capaz de valorizar o toque da mesma forma que a mulher o valoriza.
Muitos homens possuem grande dificuldade em receber a afetividade e a carícia. Com isso, existe a dificuldade em compreender que o efeito produzido pelo contato suave produz determinados resultados na mente e no cérebro, que resultam na supremacia do orgasmo e do prazer. Por outro lado, a musculatura peniana é hipotônica – tem baixo tônus muscular – e não consegue sustentar uma energia mais alta de prazer com maior demanda, por mais tempo. Quanto maior é a valorização da masturbação e da fantasia, por parte do homem, maior a probabilidade de tornar-se ejaculador precoce e impotente.
Os problemas associados ao ejaculador precoce vão além da esfera genital. Junto com a ejaculação, o homem percebe a ausência ou a diminuição da sensação erótica. O trajeto das informações sensoriais do sistema nervoso fica congestionado com a excitação e com a proximidade do orgasmo e os homens acabam por experimentar uma sensação de anestesia dos órgãos genitais, pois a energia sobe muito rapidamente para o centro sexual adaptado, o cérebro congestionado de erotismo.
O homem que experimenta a anestesia genital não tem conhecimento deste fenômeno, simplesmente porque ainda não se reeducou sensorialmente, nunca depurou a sua percepção, permanecendo como um observador no momento do orgasmo. Quando o homem se coloca na postura de um observador, dissociado dos papéis de amante que representa no ato sexual, passa a compreender e a administrar melhor as mobilizações de energia provocadas pelo erotismo e pelo orgasmo, distribuindo a experiência da intensificação da energia, espalhando-a para outros músculos do seu corpo e não apenas concentrando-a nos músculos ejaculadores.
Os homens que sofrem de incontinência ejaculatória são infelizes e angustiados por conta dessa condição. A falha no controle do orgasmo produz a sensação de inadequação sexual, carregada com um sentimento de culpa e incapacidade de levar o outro a uma situação de prazer, de intimidade e de orgasmo. A falta de controle leva o homem a diminuir e a frustrar os seus contatos sexuais, sentindo-se envergonhado e ansioso. Muitos homens experimentam uma evolução do seu quadro para uma impotência reguladora, como uma reação ao quadro de medo, culpa, ansiedade e frustração.
A ejaculação precoce pode ter como origem causas físicas e psicológicas.
O Método Deva Nishok consiste em que o homem focalize repetidamente a atenção nas sensações do orgasmo iminente e aprenda a desviar a energia para outros músculos do corpo, espalhando o reflexo orgástico para o corpo, compreendendo que o orgasmo pode ser sentido em todos os músculos do corpo e não apenas nos segmentos genitais conforme foi condicionado em seu aprendizado anterior. O método também ensina ao homem como obter um melhor aproveitamento do orgasmo, através dos orgasmos secos (não-ejaculatórios) e múltiplos, de natureza não-sexual.
Recomendamos que os homens recebam de 6 a 10 sessões continuadas para obterem um bom aproveitamento do trabalho.

Falta de Libido Como a Terapêutica Tântrica pode ajudar?


A libido é uma carga energética que tem origem na sexualidade como um todo. Muitas pessoas acham que a sexualidade localiza-se apenas no aparelho genital, o que não é verdade.
A libido é uma energia que faz os indivíduos buscarem a realização de suas necessidades básicas, como a fome, por exemplo, e também todas as formas de prazer.
Assim, parte da libido é reprimida ou destruída através dos mecanismos repressores sociais, parte é deslocada para outros atos humanos como estudar, fazer arte, trabalhar ou outras atividades que julgamos importantes ao longo de nossas vidas, e uma última parte fica disponível para o prazer sexual.
A libido é a energia que move o ser humano a se relacionar com os objetos, com o meio ambiente ou com outras pessoas, do mesmo sexo ou do sexo oposto. Se não fosse pela libido, o ser humano não iniciaria sua relação com o mundo e não a valorizaria.
É esta energia que garante que as crianças comecem a brincar, a locomoverem-se para explorar a realidade à sua volta. Libido também significa limites, ter a noção dos limites à nossa volta, reconhecer o que é proibido, o que é perigoso, ou o que é aceitável, o que é livre.
A capacidade de canalizar a libido para o mundo exterior é fundamental para o equilíbrio do ser humano. Problemas nesta canalização podem ocasionar falhas na socialização, como o autismo, auto-agressão, masturbação compulsiva e outros distúrbios de comportamento.
Na linguagem comum, a libido pode ser entendida como “vontade” e para entender melhor este conceito podemos nos utilizar das nossas expressões cotidianas: “não estou com vontade”; “sem vontade não há solução”. Estas formas de expressão sinalizam a importância da libido em todas as nossas ações. Libido é um termo que significa vontade e desejo.
A falta de libido nas mulheres está relacionada com a frigidez ou a insensibilidade em relação aos estímulos com base sexual. Muitas doenças, incluindo mentais e psicossomáticas, podem estar relacionadas com a falta ou perda de libido, como por exemplo: depressão, anorexia, cirrose, hemocromatose, hipogonadismo e outras.
Por outro lado existem doenças que resultam em um aumento excessivo da libido, como: obsessão ou TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), transtorno bipolar, hipertireoidismo e sífilis. Alguns medicamentos e muitas drogas também provocam alterações na libido. Um aumento patológico da libido é também conhecido como vício do sexo ou ninfomania, satiríase ou compulsão sexual.
No Centro Metamorfose, recomendamos que as pessoas que sofrem de ações provocadas pelo aumento ou pela diminuição da libido que passem pelo processo de reeducação sensorial através do Método Deva Nishok, onde o prazer e o afeto são explorados de forma consciente e com um propósito não-sexual, abrindo os caminhos de mobilização e de expansão da energia sexual através do seu corpo até um ápice energético conhecido como Hiperorgasmo.
É terapêutico, um processo de harmonização e cura, que não possui nenhuma conotação sexual.